Arquivo da Categoria: trail running

Peneda Gerês Trail Adventure – Trail Solidário

25 km, 1500 d+

Nada melhor para terminar a Via Sacra com destino à Madeira do que esta prova. Tem tudo! Desnível, trilhos técnicos, ambiente, estradões, cerveja, paisagens, água, sol, … como na farmácia! Parabéns Carlos Sá por esta visita guiada e pela oportunidade de descobrir novos caminhos. A opinião dos participantes estrangeiros é unânime. Prova top. Talvez por isso haja já uma legião de repetentes. Portugal pode não ter grandes montanhas. Compensa com a grandiosidade das suas gentes.

Snowtime!

Ver a Serra da Freita pintada de branco é algo que não se vê todos os dias.

Com o cancelamento da actividade de fastpacking prevista para a Serra do Alvão o Director da Secção de Trail Running (Fernando Santos) pôs em marcha o seu plano de evitar a todo o custo uma nova ida para as escadarias da Ribeira do Porto. 06h30 era a hora de saída de Espinho rumo a Chão de Ave. O plano era simples. Subir até ao ponto mais elevado da Serra da Freita (São Pedro O Velho) e regressar.

Foto: Mika Magalhães
Foto: Mika Magalhães
Foto: Fernando Santos
Foto: Mika Magalhães
Foto: Mika Magalhães

 

https://www.facebook.com/fernando.cos.santos/videos/1202141599884450/

 

 

Termas é connosco

Depois do 1º lugar obtido pela equipa do NME na edição do ano passado lá teremos de voltar a Terras de Santa Maria para tentarmos a revalidação do título.

Se vencermos haverá festa no final. Senão, também!

NME powered by BIFANA

Trilhos Termais 2017 Edição Sunset

Para os que ainda têm dúvidas…Desafias-te numa corrida contra o sol! :)Inscreve-te aqui: goo.gl/0B6bv0#caldasdesaojorge #trilhostermais #sunset #santamariadafeira

Geplaatst door Corrida Urbana Terras de Santa Maria op maandag 27 februari 2017

Valha-nos Santa Iria!

Decorreu no passado dia 5 de Fevereiro a V edição do Trail de Santa Iria (Branzelo, Gondomar). O clube esteve representado nas três provas (43K, 23K e 13K) tendo obtido o 3º lugar por Equipas na prova Ultra-Trail 43K!

Parabéns à organização da prova que soube surpreender os participantes com um percurso equilibrado, melhorando em muito o percurso da edição anterior.

Sendo um local de fácil acesso desde Espinho torna-se assim uma interessante alternativa a Valongo ou à Freita para treinos longos.

 

Ready to go!

 

Ri-te, ri-te, …

 

Fotografia do Fernando na sua passagem pela Sr.ª do Salto

 

Nada como correr com a fatiota a condizer… Foto: Fernando Ferreira

 

RESULTADOS

Ultra Trail  – 43K

3º Lugar por Equipas

13º Nuno Coelho 6h20

14º Fernando Santos 6h20

36º José Silva 6h55

54º João Graça 7h41

61º Mika Magalhães 8h06

62º Nuno Tamagnini 8h06

 

Trail Longo – 23K

130º Nuno Raposo 3h27

 

Mini Trail – 13K

56º Lugar por Equipas

456º Paula Duarte 2h07

468º Alice Santos 2h08

687º Vanessa Tavares 2h40

691º Cláudia Magalhães 2h41

692º Diolinda Tavares 2h41

NME representado numa das mais importantes maratonas de montanha da Europa

Miguel Coelho, aka Fofoni, já se encontra a caminho do País Basco onde amanhã irá participar na maratona de montanha Zegama – Aizkorri. Alguns membros da equipa de trail running do NME acompanham este atleta de forma a juntarem-se aos restantes aficionados que procurarão motivar os atletas ao longo de todo o percurso.

Boa prova para o atleta e boas provas para os acompanhantes!

May the force be with you!

Running through ancient paths…

Passavam poucos minutos das nove quando os Atletas Laranja se juntaram para mais uma aventura por caminhos incertos, desta vez em Condeixa-a-Nova, terra natal do escritor Fernando Namora.


Após a foto da praxe, que teve um brilho especial pela presença do “trailer” Carlos Sá (não foi montagem, não!), corremos até à praça, onde se reencontraram os habituais adeptos destas andanças. Entre sorrisos, apertos de mão, saudações desportivas e ao som ritmado de música intemporal, lá fomos aquecendo os músculos, preparando os relógios e dando os últimos retoques ao equipamento.
Os “trailers” mais audazes partiram para a aventura enquanto os “mini” aguardavam pela vez, entre comentários desencorajadores e outros optimistas, do tipo: “Nem sei se vou conseguir chegar ao fim…”; “No ano passado, demorei quase 45 minutos a fazer os últimos 5 kms!”; “Esta tem muitos estradões, por isso vais fazer melhor tempo do que eu.”.
A mini-aventura começou a ritmo rápido até que uma escadaria nos roubou a ambiência urbana e nos proporcionou uma viagem curta no tempo, em que cada passada, nas famosas ruínas de Conímbriga, nos transportava para um passado romano tão remoto e subitamente tão real. Logo regressamos ao presente quando entramos na paisagem serrana, através de um percurso sinuoso q.b., sem subidas intermináveis ou descidas vertiginosas, passando por miradouros naturais que permitiram desnudar o concelho e apreciar a beleza paisagística de um lugar, onde a cidade e o campo estão em perfeita sintonia. De vez em quando, a natureza ficava mais agreste e éramos surpreendidos por caminhos de pedra, sulcados e mais estreitos, mas logo o nosso olhar se desprendia do chão com as vozes animadoras das gentes das aldeias que, em jeito de incentivo, nos faziam crer que a meta era já ali (“Força! Só falta um bocadinho…”), embora ainda estivéssemos a meio da missão.
Ao km 11 fomos presenteados com uma abastada mesa de fruta variada, queijos da região, tostinhas, mel e água fresca, que nos fizeram esquecer momentaneamente o que faltava percorrer, ao saborearmos este “manjar dos corredores”. Com o estômago bem “compostinho”, reentramos na natureza agreste, onde, nas descidas e nas subidas, nos cruzamos com os caminheiros, cujas palavras calorosas e palmas alimentaram os ânimos, fazendo crer que já não faltava tanto assim. De repente, senti uma rajada de vento que pedia licença para passar e dizia “Bom dia!”… Era o Carlos Sá, o primeiríssimo do trail dos 38 kms, a saudar e a incentivar os “mini” com a simpatia que o caracteriza.
Tivemos direito a passadeira vermelha na chegada à meta na Praça da República! Já para não falar de um bolinho delicioso e suculento – a escarpiada –, típico da região, que nos soube a “pato”, mas repôs todas as calorias gastas até então! Depois, foi só abrir o saco para receber presentes: uma garrafa de vinho tinto, um frasquinho de compota caseira de abóbora ou de mel, um queijinho amanteigado e um azulejo/medalha da prova (há muito ansiado pelo atleta Fofoni!). E para quem pensava que não podiam haver mais surpresas, eis que surge uma barraquinha com cerveja à descrição para os mais sequiosos!
Desde os dorsais personalizados aos reabastecimentos, da marcação do percurso à simpatia das gentes da terra, foi um mini-trail para recordar para sempre como uma das experiências mais enriquecedoras na montanha. A equipa do NME esteve à altura do desafio, como já se esperava, e até tivemos uma atleta premiada – a Patrícia – que nem no pódio abandonou a cor laranja!

Texto: Sandra Freitas

sheer of joy in frozen conditions ….ask everybody

De frontal na mochila, três porquinhos rumam à Illa de Arousa, o NME preparava-se para a prova noturna do Galicia Máxica. Os atletas foram chegando ao destino, apesar do meu porquinho enganar-se constantemente no caminho. Tudo estava certo até ao momento em que Fran diz “llevan toda la ropa que tienen”, “Frannnn, TODA!!!!!!!!!”. “Si, toda.” Mineiros em sentido…
Hora de reunir atletas, uns saíram da pizaria rumo ao café, pan de millo, onde me serviram, à Carla e Cristina, umas sandes do tamanho do griso que se fazia sentir no exterior. Os últimos atletas entretanto chegaram e fecharam o círculo.
Chegou o momento de ganhar coragem, sair do café das sandes gigantes, vestir e preparar para a prova. Grande momento de criatividade, os “traileiros” tentavam de tudo para dissipar o frio…. saltos, skippings, socos, aconchegar corpos, palmas, cantar os parabéns enquanto se arranjava uma lista de aniversariantes…. até que….. o Fofoni se lembrou da sardinha do par de dedos. Experimentei, e confesso que resulta, a dor é tão grande que não se pensa em mais nada.
O cérebro gelou e nem percebi se foi contagem decrescente, tiro ou grito….. tardou, mas começamos a partir gelo. O frio foi desaparecendo à medida que fomos contemplando o esplendor da corrida noturna, com mais de 300 cores a refletir as luzes dos frontais mais o laranja aconchegante da lua. A ilha ofereceu-nos o cheiro da praia, as rochas, a areia, o passadiço, o som das ondas suaves, os barquinhos. Só dispensava as algas que me fizeram malhar.
A meta aguardava-nos com um abraço do Moutinho e um divino chocolate de aquecer a alma…. por meio minuto. A boa disposição foi aumentando à medida que íamos re-reagrupando e aglomerando os diferentes tesouros da volta à ilha.
Penso que foi uma prova bem organizada e diferente (pouco desnível, ilha, noite….. frio descomunal), mas fica um amargo por a noite ter escondido uma ilha que parece ter muito mais do que o pouco que vimos. O “sheer of joy” no título do texto, não aparece por acaso, penso que a boa disposição coletiva derreteu a sensação de “o que é que vim fazer para Espanha. Estava tão bem em casa. Quem teve a ideia de correr no polo norte?”. Ficam algumas lições, constipações e um anseio por mais sheeeeeeeeer of joy.

Texto: Tiago Costa

O ano começou a correr…

1 de Janeiro marcou a primeira edição do Espinho Go For a Swim Trail Run. Terra, areia, relva, rocha,… tudo serviu para fugir ao asfalto! Esta primeira edição contou com a presença de atletas do Rio Largo que não deixaram passar esta oportunidade para juntar mais alguns quilómetros aos muitos que já levam nas pernas.

Para o ano, há mais!

Bom 2012!